Menu
X

Arquivos da Categoria: Noticias

imagem

10 motivos para praticar atividade física

Bom dia princesas.

Vocês já conhecem os benefícios que a atividade física pode te proporcionar? E eu não estou falando somente dos velhos ditos: “Vou fazer exercícios pra ficar sarada”, “pra emagrecer” , blá blá blá… Isso é uma consequência? Sim, é. Mas todos nós sabemos que além desses fatores, a atividade física contribui para nossa saúde, previne doenças e muitas outras coisas que às vezes vocês nem imaginam.

10 motivos para praticar atividade fisica

1) Melhor disposição física para as atividades do dia-a-dia;

2) Funciona mais que dieta quando o assunto é perda de peso, porque a atividade física promove aceleração do metabolismo, que consome calorias até em repouso;

3) Regula o sono, pois a prática de exercícios libera endorfina, uma enzima que proporciona bem-estar e diminui a ansiedade e o estresse;

4) Inibe os resfriados, pois a prática de atividade física fortalece o sistema imunológico;

5) Diminui os riscos do câncer de mama, pois os exercícios diminuem os níveis de estrogênio – hormônio intimamente ligado ao câncer de mama;

6) Combate a osteoporose, doença dos ossos,  pois fortalece a massa óssea devido ao impacto promovido pelos exercícios no corpo;

7) Reduz o colesterol ruim (LDL);

8) Previne o diabetes, pois contribui para regular a produção de insulina;

9) Controla a hipertensão, pois libera substâncias que causam a dilatação e o fortalecimento dos vasos sanguíneos;

10) Aumenta a libido e a performance sexual, pois melhora a autoestima e o condicionamento físico.

Que tal colocarmos uma meta? Eu sei que o primeiro passo é difícil, às vezes bate aquela preguicinha, ou o dia é muito corrido e a única coisa que queremos é chegar em casa, tomar um banho e descansar. MAS, quando queremos, arrumamos tempo. Vocês vão ver como é bom, como faz bem e garanto que não conseguirão parar depois que começar a sentir todos os benefícios que nos traz.

Beijinhos

imagem

15 anos depois, dona da Melissa é condenada por copiar estilista

A fabricante de calçados Grendene foi condenada a pagar indeniza ção de 223 mil reais por danos morais à estilista Ana Luiza de Almeida por copiar o design de uma de suas sandálias.

A Grendene, dona das marcas Melissa, Rider, Ipanema, entre outras, tem 11 fábricas de calçados no país e cinco lojas conceito da Melissa. A fabricante teve receita bruta de 2,8 bilhões de reais em 2018, aumento de 3,6% em relação ao ano anterior.

A estilista entrou com um registro do design no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) em julho de 2002. A sua sandália, feita de plástico injetável, foi chamada de Grudy. Já a Grendene pediu o registro do mesmo calçado em setembro de 2002, dois meses depois da designer, que foi comercializado sob o nome de Melissa Plasticodelic. A designer abriu a ação em 2004, mas apenas agora, 15 anos depois, o caso foi finalmente concluído, sem mais espaço para recurso.

A Grendene contestou o processo, dizendo que não haveria prova material de imitação e que a estilista seria uma pessoa física e, portanto, não seria parte legítima para pleitear esse ressarcimento.

Já Ana Luiza de Almeida explicou que pedia indenização em nome da empresa Mix Shoes, da qual é sócia. Além disso, argumentou que a Grendene fez um registro de desenho industrial dois meses depois que ela própria realizou um registo de um calçado idêntico.

Como a estilista é conhecida internacionalmente pelos seus designs, a fabricante de calçados teria copiado seu produto. “Não restam dúvidas acerca de que houve cópia do desenho industrial, pois da leitura do laudo se verifica que são praticamente idênticas as sandálias”, diz a decisão.

Segundo o advogado da designer, Rodrigo Staut, do escritório Oliveira Staut Advocacia, ela foi muito prejudicada na época, já que exportava sandálias de luxo, mais tarde copiadas e vendidas por preço mais baixo pela empresa.

Procurada por Exame, a companhia disse que está em período de silêncio e que não irá se pronunciar.

Demora

A primeira sentença, do Tribunal de Justiça de São Paulo, foi proferida em julho de 2008, mas a fabricante entrou com recursos. O processo transitou em julgado no fim de 2018 e não cabe mais recurso.

Em fevereiro deste ano, no entanto, a juíza Rosana Moreno Santiso, da 3a Vara Cível de São Paulo, entendeu que os danos materiais ainda devem ser apurados. Já os danos morais devem ser indenizados em 223 mil reais. A ação está, agora, em execução.

As empresas devem parar de fabricar e de comercializar o produto, indenizar a designer em 5% do valor bruto de cada venda realizada e pagar indenização por danos morais.

A loja Kipling também foi incluída no processo por vender os calçados, mas o juiz a excluiu da ação por entender que ela apenas vendia os sapatos e não agiu com dolo ou má-fé.

É o segundo processo movido pela estilista contra a fabricante. Em outra ação, ela ganhou o direito de dois de três produtos, um chinelo “Grendha” e uma bolsa “Monique”. A decisão é de maio de 2017 e a estilista foi assessorada pelo mesmo escritório.

imagem

25 anos de ASICS GEL-Kayano

Foi no ano de 1994 que a ASICS, marca japonesa especialista em itens esportivos, lançou um de seus tênis de maior sucesso: o GEL-Kayano. De lá para cá, o calçado já percorreu muitos e muitos quilômetros nos pés dos aficionados por uma boa corrida. Famoso por sua estabilidade e conforto, além do design característico, o modelo acaba de ganhar duas versões repaginadas, resultado da parceria entre ASICS Tiger e MITA Sneakers pelos 25 anos da chegada do primeiro tênis da linha.

Uma das atualizações é o GEL-Kayano 25, da ASICS, que traz diversas evoluções tecnológicas voltadas para a performance. Sua nova entressola em Flytefoam™ Lyte oferece amortecimento contínuo, reforçado pela espuma mais responsiva do mercado, a Flytefoam™ Propel.

Já a versão retrô do GEL-Kayano Trainer, da ASICS Tiger, traz a silhueta icônica do famoso modelo com parte interna integrada em MONO-SOCK™ e GEL na entressola. As tradicionais cores azul, vermelho e branco compõem a paleta de ambos sneakers comemorativos.

O pack exclusivo também faz referência a uma outra collab de sucesso entre ASICS e MITA, realizada em 2015. Aos colecionadores de plantão, fica a dica: os novos pares comemorativos dos 25 anos de GEL-Kayano são limitados e já estão disponíveis para compra exclusivamente nas lojas ASICS do Shopping JK Iguatemi.

imagem

5 motivos para você se jogar MUNDO AFORA

O que faz a vida valer a pena?

São as histórias malucas que você ja viveu, os riscos, as aventuras, as dificuldades. A vida é feita de MOMENTOS, mergulhe de cabeça. “Tá” na hora de você se arriscar, sair da sua zona de conforto. Está na hora de fazer uma viagem sozinho.

Eu sei, parece loucura a idéia de VIAJAR SOZINHO. Mas em um certo momento da vida, você vai se dar conta que precisa disso.

Viajo sozinha desde os 17 anos de idade, mas teve uma em especial que marcou demais a minha vida.

Eu morava em Milão, e meu visto estava prestes a vencer. Ou eu voltaria para o brasil, ou saía da Europa por alguns dias pra poder retornar. Minhas viagens até então, sempre foram à trabalho, com contratos de agências, e por mais que eu não conhecesse ninguém até então, nunca estive sozinha, sempre dividia apartamentos com outras modelos, tinha o pessoal da agência “cuidando” da gente. Enfim… Aí me veio um estalo: Está na hora. Quero fazer uma viagem, uma viagem pra mim, expandir meus horizontes. Fiquei noites sem dormir, com a cabeça a mil, pensando em mil lugares que ainda queria conhecer, mas dessa vez era diferente.

Combinei com um grupo de amigas, na hora todas toparam, e já haviamos decidido nosso destino: EGITO. Ual! Que sonho!! Sempre quis ver as pirâmides de pertinho, a história do mundo me fascina, a ansiedade tomava conta. Até que alguns dias antes de comprarmos nossas passagens, minhas amigas deram pra trás. Uma não podia porque tinha trabalho, a outra ia voltar pra casa,etc… Fiquei arrasada, e achei que não seria dessa vez que realizaria esse sonho, mas daí pensei: Porque não? Há quase dois meses estou planejando essa viagem. Então, na mesma hora entrei no site, comprei minha passagem e fiz a reserva do hotel, dois dias depois estava embarcando.

Quando desembarquei no aeroporto de Cairo e peguei o taxi pro hotel me bateu o desespero. MEU DEUSSSS, O QUE ESTOU FAZENDO AQUI SOZINHA???? Não conheço ninguém, se algo me acontecer não tenho nem pra quem ligar, o país estava em protesto ( sim, eu já sabia antes de ir ) eu era estrangeira e todos sabiam disso ( CLARO, as mulheres lá usam burca, eu não!rs ), a sensação de “borboletas” no estômago tomaram conta de mim rsrsrs mas logo passou, e foi a viagem mais incrível da minha vida.

Fiquei 4 dias e 3 noites, conheci quase todos os pontos turísticos de Cairo, pirâmides, museu, etc etc etc… Apesar de ser um país perigoso para uma garota sozinha, fui tão bem recebida, pude sentir a energia maravilhosa que aquele lugar exala. A pobreza da cidade me fez dar valor a vida que tenho. Tive um tempo pra refletir sobre a vida, conversar comigo mesma, tomar algumas decisoes. Conheci duas egipicias queridas no Shopping, que me deram dicas, falaram um pouco sobre sua cultura, e recebi até uma “cantada” de um egicpio, que disse que trocaria 100 camêlos pela minha mão em casamento hahahahahha Ai gente, só 100? Poxa!! KKKKKKKKK Enfim… HISTÓRIAS PRA CONTAR, é o que faz a vida valer a pena. Você tem que viver, não apenas existir.

5 MOTIVOS PARA SE JOGAR NO “MUNDÃO AFORA”

1- AMADURECIMENTO

Isso vai acontecer. Vai viver intensamente cada segundo, momentos bons e tristes, dificuldades e perrengues, mas não se assuste, os perrengues fazem parte, e isso te dará mais força para se virar em qualquer situação que a vida te coloque. Garanto que você voltará pra casa mais experiente, alegre e cheio de histórias pra contar.

2- AMIZADES NOVAS

Você vai conhecer tanta gente legal pelo mundo, muita gente doida também hehehe mas algumas amizades permanecerão pra sempre.

2- NOVOS IDIOMAS

Nosso maior medo : Não sei falar a língua deles, como vou me comunicar? Calma! Você aprende, a necessidade faz com que isso aconteça. E é uma ótima oportunidade para você se esforçar e se dedicar.

3- AUTOCONHECIMENTO

Viajar sozinho te ajuda a refletir, a ter um tempo pra si mesmo, pensar na vida e se descobrir.

4- SE AVENTURAR

Quer aventura maior do que estar sozinho em lugar desconhecido? Todo momento será único e de muito aprendizado

5- PERCEBER QUE VOCÊ NÃO ESTA SÓ

Estar só nao é estar sozinho. Então não fique com medo de viajar sozinho, você sempre vai encontrar pessoas na sua jornada, e o mais importante de tudo: DEUS está com você o tempo TODO.

Gente, espero que esse post ajude você a perder o medo de enfrentar qualquer coisa sozinho. Viajar só te trará benefícios. Uma frase que sempre digo é : “Viajar é a única coisa que você compra que faz você mais rico “. Quebrem seus cofrinhos, planeje aquela “trip” incrível, nao tenha medo.

imagem

A febre do SNAPCHAT

Oi meus amores, tudo bem com vocês?

Na correria do dia-a-dia estive um pouquinho ausente por aqui, me desculpeeem…

Mas, essa semana o blog está cheio de novidades. Fiquem ligadinhas 😉

O post de hoje é sobre a nova sensação do momento, o App SNAPCHAT que virou febre no mundo todo. O app, onde as fotos e videos somem depois de 24 horas que foram postados.

Todos se renderam à ele, e criaram perfis compartilhando seu dia-a-dia, desde backstages de trabalhos e gravaçoes, viagens, rotina de malhação e lazer.

O bom é que você consegue acompanhar de “pertinho” seus ídolos e saber tudinho o que eles estão fazendo.

Eu vou fazer uma listinha de algumas pessoas que são famosíssimas no snap e vale a pena seguir 😉

1- Ariana Grande: moonlightbae

2- Fernanda Souza: eu.fesouza

3- Arnold Schwarzenegger – arnoldschnitzel

4- David Guetta – davidguettaoff

5- Jennifer Lopez – jlobts

6- Kanye West – themrwest

7- Kylie Jenner – kylizzlemynizzl

8- Madonna – madonna

9- Miley Cyrus – mileycyrus

10- Kefera – keferabm

11- Camila Coelho – camilacoelho88

12- Camila Coutinho – gestupidas

13- Gabriela Pugliesi – ga.pugliesi

14- Jade Seba – jadeseba

15- Nana Rude – nanarude

16- Thassia Naves – thassia_naves

17 – Lala Rudge – lalarudge

18- Chiarra Ferragni – chiaraferragni

19- Anitta – anittaofficial

20- Padre Fabio de Melo – fabiodemelo3

Que tal amores? Gostaram?

Bem, esses são alguns dos snapchats que bombam na internet…. Pra quem quiser me seguir, não sou famosa nem nada hahahahhaha, mas aí vai: francinepanta

Espero que tenham curtido, e aceito novas sugestões…

Beijoquinhas e até a próxima.

http://www.francinepantaleao.com/

imagem

A Força está com a Havaianas

Marca lança modelos de sandália adultos e infantis com estampas de Star Wars.

O maior evento nerd do ano está chegando: a tão aguardada estreia nos cinemas do sétimo episódio da franquia Star Wars. O Despertar da Força chega aos cinemas brasileiros no dia 17 de dezembro.

De olho no crescente mercado de produtos relacionados à cultura pop, muitas empresas estão com lançamentos relacionados à famosa saga especial. A Havaianas, sempre antenada, não podia ficar de fora.

A marca colocou nas lojas três modelos adultos e dois infantis da sua tradicional sandália de borracha. As estampas estilosas trazem imagens de stormtroopers, mestre Yoda, os droides C3P-O e R2-D2 e o vilão Darth Vader. As Havaianas estiverem recentemente com estande na Comic Con Experience, evento brasileiro de cultura pop realizado no início de dezembro, e que recebeu 142 mil visitantes.

imagem

A moda do vinil em sapatos e bolsas

Loucos & Santos traz para o seu verão 2017 peças em vinil. Um conceito retrô que ganha uma pegada moderna irresistível, além dos efeitos visuais que causam impacto nas produções!

A transparência é uma forte tendência para a próxima estação, pensando nisso, a Loucos & Santos traz esse estilo para sapatos como as sapatilhas e bolsas, que permitem às mulheres usarem e abusarem de uma forma divertida e criarem looks cheios de personalidade para o dia a dia.

As peças fazem parte da Coleção Enjoy – Spring/Summer 2017 Loucos & Santos e já podem ser encontradas nas lojas físicas e na loja virtual.

imagem

A nova revolução industrial

A prioridade do consumidor no século 21 é a redefinição dos sistemas de consumo e das formas de trabalho. Cada vez mais, os clientes esperam conseguir o que querem, quando querem, com base em suas opiniões formadas a respeito das marcas e do varejo. Os consumidores acompanham as empresas para se conectarem com elas em todas as suas manifestações, e a compreensão de que as realidades virtuais são tão reais quanto os tradicionais pontos de contato talvez seja a questão fundamental a ser assimilada pelos fabricantes neste século.

A forma de adquirir produtos está mudando e, cada vez mais, a aquisição se desenvolve não a partir da compra. Ou seja, as indústrias deverão estar conscientes de que seu papel na equação do consumo está em mutação.

Ao invés de usuários finais passivos, os consumidores estão se tornando fabricantes e o “faça você mesmo” é uma linha em franco desenvolvimento e que não tem mais volta. Além disso, os consumidores estão desafiando as noções aceitas de obsolescência programada e a cadeia de produção tradicional.

imagem

A Prada apresentou sua coleção de inverno 2015 durante a Semana de Moda

A Prada apresentou sua coleção de inverno 2015 durante a Semana de Moda Masculina de Milão, incluindo algumas peças da linha pre-fall feminina na passarela. As peças foram inspiradas coreógrafa alemã Pina Bausch, que contava histórias através da dança e tinha como tema recorrente as interações entre masculino e feminino. Ela já foi inspiração para o estilista brasileiro Ronaldo Fraga na temporada de inverno 2010 e também para Pedro Almodóvar, em cujo filme, Fale com ela, ela atua em uma sequência de dança.

A estilista Miuccia Prada ainda ressaltou referências do teatro para a temporada com um toque dramático às coleções. Em evidência, a alfaiataria, através de peças em cortes retos, mais próximos ao corpo, a mistura de materiais, como o tricô junto às transparências e as peles.

imagem

A praticidade em não amarrar os sapatos

Marcas substituem cadarços por outros materiais mais práticos

A clássica história da “orelhinha do coelhinho” que é ensinada de pai para filho ao amarrar os cadarços pode estar com os dias contados. Isso porque muitas marcas estão aderindo aos velcros, zíperes, elásticos e até cadarços falsos que proporcionam mais agilidade ao calçar.

Pode não parecer, mas amarrar os cadarços demanda certa habilidade e um tempinho extra, o que leva muitos homens a calçar os sapatos já amarrados, ocasionando danos ao produto. Pensando na agilidade, na praticidade e em livrar os consumidores de ter que amarrar os cadarços que se soltam no meio do dia, as marcas Ferracini 24H, Kildare, Samello e Rafarillo possuem alternativas casuais que não demandam amarração.

imagem

A Première Vision São Paulo

A Première Vision São Paulo, que ocorreu entre os dias 21 e 22 de janeiro, no Expo Center Norte,  trouxe alguns apontamentos em tendências para o verão 2014/15, apresentados no Fórum de Tendências, espaço da feira onde ficam expostas as principais matérias-primas das empresas participantes.

1 – Aspectos naturais

Os materiais – tecidos planos, malhas circulares e retilínea, aviamentos e fios – destacaram a natureza, com ênfase nos florais com relevos, nas malhas leves, transparentes e vazadas. Tecidos ultrafinos evocavam as correntes de ar e estampas tropicais receberam cores vibrantes. Esse apontamento ainda valorizou o imaginário submarino, com estampas aquáticas, denim em lavagens brutas e aviamentos perolizados e com temas náuticos.

2 – Geométricos

As geometrias permanecem em alta, porém ganharam um viés mais estilizado, com efeitos gráficos intensos aplicados em aviamentos e etiquetas, além de pinturas em ordens aleatóreas com aspecto manual. O efeito caleidoscópio e realidade aumentada deram um tom moderno, propondo mix de estampas e aviamentos em formatos diferenciados.

3 – Brasilidade

A brasilidade também esteve em alta na feira, com as marcas apostando na combinação tradicional de verde e amarelo, nas estampas tropicais e nas temáticas relacionadas ao futebol e a copa.

imagem

A tendência das flatforms invade a coleção de verão 2017 da Petite Jolie

A coleção de Verão 2017 da Petite Jolie está repleta de novidades e opções que buscam sempre agradar as fãs da marca. Dando valor a rica troca multicultural existente em nosso país, fonte de inspiração para a estação, os produtos aparecem com um ar de veraneio trabalhados em delicadas misturas de materiais, cores vivas e alegres, além de muito charme e estilo.

A Petite Jolie está sempre antenada nas principais tendências, e as flatforms não poderiam estar de fora da coleção nesta temporada. Já presente no streetstyle nos últimos meses, as sandálias de plataformas retas prometem invadir não apenas as passarelas como também o guarda-roupa de qualquer mulher ligada à moda, trazendo ao look referências aos anos 90, que estão voltando com tudo.

Os modelos aparecem em opções metalizadas como prata e dourado, cores como preto, o amarelo e o vermelho, além de tons mais claros como branco e nude. Detalhes trabalhados em tiras e fivelas dão um toque especial ao calçado, que pode ser usado para dar um ar descolado e moderno em diferentes tipos de visuais.

Como destaque, uma linda flatform com forração em EVA e cabedal de gorgorão listrado, que promete deixar qualquer amante de moda de queixo caído.

Os produtos da coleção de Verão 2017 já começaram a chegar aos pontos de venda da marca.

imagem

A urgência da qualificação da mão de obra para o setor calçadista

Os principais gargalos estão nas áreas de pespontador de calçados, confeccionador de calçados e montador de calçados

Atualmente se configurando como um dos maiores problemas para a indústria calçadista, a qualificação da mão de obra se junta a outros gargalos correspondentes que somados formam o pesado fardo do Custo Brasil.

Recente levantamento realizado pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) colocou a falta de mão de obra qualificada como o quarto principal problema para o setor, através apenas da alta carga tributária, da instabilidade cambial e da legislação trabalhista. O apontamento é reflexo de um problema sentido pela indústria brasileira. Conforme pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), 65% dos empresários ouvidos pela entidade revelaram problemas com a falta de qualificação dos seus trabalhadores.

No setor calçadista, os principais gargalos estão nas áreas de pespontador de calçados, confeccionador de calçados e montador de calçados. Já os polos mais carentes de mão de obra são o de Nova Serrana/MG, Bahia e Franca/SP. Os números estão em consulta realizada pela Abicalçados com seus associados.

Flexibilização

Para o presidente-executivo da entidade calçadista, Heitor Klein, além da necessidade urgente de formação de mão de obra qualificada, é imperiosa a aprovação da flexibilização da jornada de trabalho já entregue ao Governo Federal. Uma das medidas previstas é permitir a redução da jornada de trabalho com a redução salarial equivalente. A diferença no ordenado seria paga pelo governo com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhar (FAT). “É uma solução inteligente para as empresas e para o Governo, que, em tempos de urgentes ajustes nas contas públicas, iria economizar nas crescentes despesas seguro desemprego e também evitaria os constantes saques nas contas do FGTS”, avalia o dirigente. Já para as indústrias, o benefício estaria na manutenção das equipes, já que em períodos de desaquecimento, como o atual, muitas precisam recorrer às demissões. “Depois o momento econômico melhora e precisamos recontratar. Aí, onde está o trabalhador? Foi para outro setor. A indústria acaba tendo que arcar com mais custos e tempo para a formação da mão de obra”, continua.

Segundo o dirigente, a indústria calçadista vem mantendo a média de 1% de queda nos postos de trabalho gerados nos últimos meses. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o emprego no setor coureiro-calçadista encolheu 7,7% entre janeiro e maio deste ano. “Infelizmente, a tendência é a continuidade desse quadro até o final deste ano”, avisa o executivo.

Rotatividade

Klein ressalta, ainda, que o setor calçadista, por ser intensivo em mão de obra, é um dos que mais sofre com a alta rotatividade dos trabalhadores brasileiros. Conforme o próprio governo, a cada ano 40% dos empregados com carteira assinada trocam de trabalho. “O seguro desemprego acaba servindo, inclusive, como um estímulo para a rotatividade e até para a informalidade”, comenta o executivo. Conforme dados oficiais, o total de benefícios pagos aos trabalhadores cresceu de R$ 6,4 bilhões para R$ 28,5 bilhões entre 2003 e 2013, um aumento de 345%.

Capacitação na prática

Com o atual contexto de alta rotatividade, que segundo Klein, é ainda maior na indústria calçadista, cursos de qualificação e capacitação assumem importante papel na formação de novos trabalhadores.

No Rio Grande do Sul, mais especificamente em Novo Hamburgo/RS, o Centro Tecnológico do Calçado, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (CT Senai), tem a missão de formar trabalhadores para uma indústria que, somente no Estado, emprega mais de 110 mil pessoas.

Atualmente, o CT oferece cursos na área calçadista na matriz e em unidades do Senai de Estância Velha, Santa Cruz do Sul, Lajeado, Canela, Sapiranga, Gravataí, Bento Gonçalves, Farroupilha, Igrejinha, Campo Bom e Venâncio Aires. O diretor regional do Senai-RS, José Zortéa, explica que no primeiro semestre de 2014 estavam matriculados 7.354 alunos, sendo que no ano passado foram mais de 9 mil estudantes distribuídos nas diversas modalidades de formação. Buscando a colocação dos alunos novos e antigos no mercado de trabalho, o Senai dispõe de um site (www.senairs.org.br/talentos) com um cadastro dos currículos dos interessados. “O retorno a partir desta opção tem sido muito satisfatório, pois o percentual de pessoas da nossa comunidade escolar com colocação em sua área de formação está praticamente pleno”, conta Zortéa, acrescentando que, após um ano após o final dos cursos, 89,2% dos alunos já estão inseridos no mercado de trabalho. Segundo Zorzéa, as áreas mais procuradas são modelagem, cronometragem e programação de produção.

Fonte: Unidade de Promoção de Imagem Abicalçados

imagem

Abdala Jamil Abdala é eleito 1º Vice-Presidente da Ubrafe

O presidente da Francal Feiras, Abdala Jamil Abdala, foi eleito 1º Vice-Presidente do Conselho de Administração da Ubrafe – União Brasileira dos Promotores de Feiras.

Na gestão, que terá duração até 2018, Abdala vai apoiar o presidente Juan Pablo De Vera (Reed Exhibition) e os demais membros do conselho de administração da entidade no posicionamento das feiras de negócios como estratégia fundamental de vendas e marketing tendo em vista o atual cenário da economia brasileira.

A Ubrafe representa o setor de promoção comercial nacional e internacionalmente junto a todos os segmentos da economia. Em seu quadro de associados, estão as maiores empresas da cadeia produtiva do setor de feiras de negócios e promoção comercial.

imagem

Abicalçados abre inscrições para rodada de negócios

As inscrições para as rodadas de negócios do FF Exchange já estão abertas para empresas do setor coureiro-calçadista associadas às entidades realizadoras (Abicalçados, Assintecal, CICB e Abrameq) até o dia 14 de setembro.

 O evento, que acontecerá no dia 27 do próximo mês, durante a Semana do Calçado, será sediado na sede do Instituto Brasileiro do Couro, Calçado e Artefatos (IBTeC), em Novo Hamburgo/RS.  Nesta edição, as empresas inscritas conhecerão – e poderão fechar parcerias – com fornecedores de Gestão e Tecnologia da Informação, E-commerce e Manufatura Avançada que fazem parte do projeto Digital Moda, do Sebrae/RS (2D Web, ACID Tecnologia, Alfa Sistemas, BGM Sistemas, BM Tec, Café com Soluções, Easypro Tecnologia, Krafti Tecnologia, Mavetec, Sirros IoT, Unirede e Universo Varejo). Elas fazem parte do Projeto Digital Moda, do Sebrae/RS, e foram capacitadas por dois anos para atender e criar soluções específicas para a cadeia de moda.

A gestora de Projetos da Abicalçados, Roberta Ramos, destaca que as inscrições para empresas âncoras interessadas em participar das rodadas terão inscrições gratuitas, desde que associadas às entidades realizadoras, por meio do link. A primeira edição do projeto, pioneiro na cadeia coureiro-calçadista, aconteceu em outubro de 2016, tendo ao longo desses quase dois anos realizado eventos em alguns dos principais polos calçadistas do Brasil, proporcionando conexões e negócios entre fornecedores, calçadistas e setores ligados à gestão, marketing, comunicação, tecnologia, entre outros segmentos. “O FF Exchange é uma rodada de negócios no modelo speed dating, no qual o fornecedor do serviço tem três minutos para fazer o pitch para a empresa âncora. O projeto visa otimizar o tempo e colocar face a face players com potencial para o fechamento de parcerias, já que somente se inscrevem na rodada empresas que buscam os serviços que serão apresentados”, explica Roberta.

Future Footwear
O FF Exchange faz parte do programa Future Footwear. Lançado em agosto de 2016, o programa une as principais entidades representativas da cadeia coureiro-calçadista brasileira: Abicalçados (calçados), Assintecal (componentes para calçados), CICB (couros) e Abrameq (máquinas para curtumes e calçados). O objetivo é estimular, por meio de ações conjuntas, a adoção de práticas modernas na manufatura, se utilizando dos conceitos da Indústria 4.0, com alta tecnologia, automação e robótica, e também novos produtos e novos modelos de negócios, cada vez em maior sinergia com a necessidade do “novo” consumidor. Saiba mais sobre o FF Exchange no site www.abicalcados.com.br/ffexchange.

Assim como em anos anteriores, as rodadas de negócios do FF Exchange ocorrerão durante a Semana do Calçado, uma iniciativa do IBTeC e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Confira a programação completa da Semana do Calçado em www.semanadocalcado.com.br.

imagem

Abicalçados apoia publicação sobre processo criativo

Idealizado pelo escritor e pesquisador Gustavo Campos e a estilista Melissa Sant’Anna, o livro trouxe quase 30 entrevistas com profissionais que fizeram e fazem a história do design no setor calçadista brasileiro

Foi lançada ontem (12), durante a Couromoda, a publicação Traços de Valor. Idealizado pelo escritor e pesquisador Gustavo Campos e a estilista Melissa Sant’Anna, o livro trouxe quase 30 entrevistas com profissionais que fizeram e fazem a história do design no setor calçadista brasileiro. Durante a Couromoda, o projeto promove uma exposição de protótipos desenvolvidos pelos participantes da obra.

Para Campos, a iniciativa é fundamental como forma valorizar o estilo brasileiro, no que diz respeito a calçados, arquitetura, vestuário e móveis. “Iniciamos com o segmento calçadista, mas o projeto se estenderá para outras áreas, sempre tendo o design como ator principal”, explica.

Com patrocínio da Abicalçados, Traços de Valor se volta contra a cultura da cópia e busca fortalecer a identidade do calçado tupiniquim. Para Campos, o apoio da entidade foi fundamental. “É muito importante ter o apoio da Abicalçados em um projeto como este. Desde o início, quando apresentamos a ideia, ela foi abraçada”, conta o escritor. Além da entidade setorial, patrocina a obra o Grupo Couromoda.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abicalçados

imagem

Abicalçados apresenta programa de apoio às exportações na Feevale

A apresentação para as turmas das disciplinas Estratégias Internacionais e Tópicos Especiais em Comércio Exterior aconteceu por convite do professor José Carlos Lehn.

Com o objetivo de apresentar aos estudantes de Comércio Exterior a estratégia de construção de ações de internacionalização para empresas em diferentes níveis de maturidade, representantes da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) estiveram na Universidade Feevale, em Novo Hamburgo/RS, na noite de ontem, dia 2. Na oportunidade, o gestor de Projetos e a coordenadora de Promoção de Imagem da entidade, Cristiano Körbes e Roberta Ramos, apresentaram o programa de apoio às exportações Brazilian Footwear, mantido pela Abicalçados em parceria com a Apex-Brasil há 14 anos. “Através do programa não apenas ampliamos os destinos de menos de 100 para 150, mas também registramos um salto qualitativo nos mercados”, ressalta Körbes.

A apresentação para as turmas das disciplinas Estratégias Internacionais e Tópicos Especiais em Comércio Exterior aconteceu por convite do professor José Carlos Lehn.

imagem

Abicalçados apresentou setor calçadista na Feevale

Participação foi na aula do curso de Comércio Exterior

No último dia 6 de maio, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) esteve na sala de aula da turma do curso de Comércio Exterior, na Universidade Feevale, em Novo Hamburgo/RS. Na oportunidade, Igor Hoelscher, assessor executivo, e Monalisa Santos, coordenadora da Unidade de Relacionamento, apresentaram o setor calçadista brasileiro com foco nas ações de promoção comercial no mercado internacional.

Hoelscher destacou que a promoção internacional do calçado brasileiro, realizada através do Brazilian Footwear, programa de apoio às exportações mantido pela Abicalçados e Apex-Brasil, tem como foco mercados em ascensão, como o caso da Rússia. “Atualmente a Rússia é um dos principais importadores de calçados brasileiros, atrás apenas Estados Unidos, França, Angola e Argentina. No primeiro trimestre os russos compraram o equivalente a US$ 12,4 milhões em calçados nacionais”, destacou o executivo, que na ocasião também comentou a posição de destaque do produto brasileiro em nível internacional, ressaltando a importância social e econômica da indústria verde-amarela. Segundo ele, mesmo com todos os problemas macroeconômicos enfrentados, o calçado brasileiro é objeto de desejo em mais de 150 países.

imagem

Abicalçados critica bloqueio da Argentina a produtos

O governo argentino bloqueou recentemente 700 mil pares de sapatos brasileiros que deviam ser negociados no país vizinho durante o Natal

São Paulo – A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) criticou nesta segunda-feira o bloqueio imposto pela Argentina a seus produtos, uma decisão que provocou perdas estimadas em US$ 20 milhões nos últimos meses, afirmou à Agência Efe o presidente da entidade, Heitor Klein.

O governo argentino bloqueou recentemente 700 mil pares de sapatos brasileiros que deviam ser negociados no país vizinho durante o Natal, segundo a associação, que acrescentou que meses antes foi interrompida a chegada de outros 700 mil que deveriam ser comercializados na Argentina em outubro.

Apesar das negociações realizadas pelo Brasil para a liberação dos calçados, cujo envio tinha como data limite o dia 20 de dezembro, a Argentina autorizou há poucos dias apenas o embarque de uma pequena carga.

“O governo brasileiro iniciou contatos com o argentino. Dois ministros brasileiros viajaram à Argentina para flexibilizar a situação, mas os resultados ainda são pequenos. Tivemos uma liberação nos últimos dez dias de dezembro, mas o volume é pequeno”, explicou o presidente.

Para Klein, a decisão do país vizinho está motivada pela pressão dos produtores nacionais e pelos dados da balança comercial, “favorável ao Brasil e que cria dificuldades para a economia argentina”.

De acordo com a Abicalçados, a medida responde, além disso, à política “protecionista” da Argentina e pode ter um impacto na negociação que o Mercosul desenvolve com a União Europeia para alcançar um acordo de livre-comércio.

“A Argentina tem dificuldades para fazer uma proposta que permita levar adiante as negociações”, comentou Klein.

Embora o bloqueio das importações do calçado brasileiro tenha se intensificado a partir de agosto, a situação vem se repetindo desde 1999 em diferentes setores da indústria brasileira, como os de móveis, confecção e linha branca de eletrodomésticos, lembrou Klein

Fonte: EXAME

imagem

Abicalçados e Ablac apresentam ampla pesquisa sobre consumo de calçados

A cargo da empresa de pesquisas Kantar Worldpanel, presente em 150 países, a metodologia foi apresentada durante a Francal 2015, mostra calçadista que aconteceu entre os dias 6 e 9 de julho, em São Paulo/SP.

Com o objetivo de auxiliar na adoção de estratégias comerciais da indústria e varejo, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) e a Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac) uniram-se para promover uma ampla pesquisa sobre o consumo de calçados no Brasil. A cargo da empresa de pesquisas Kantar Worldpanel, presente em 150 países, a metodologia foi apresentada durante a Francal 2015, mostra calçadista que aconteceu entre os dias 6 e 9 de julho, em São Paulo/SP.

Conforme a apresentação, conduzida pelo presidente da Ablac, Imad Esper, e pela gerente de novos negócios da Kantar Worldpanel, Rita Navarro, a pesquisa será realizada semanalmente em 11,2 mil lares brasileiros em todas as regiões do País. Conforme a empresa responsável pelo levantamento, o universo representa 90% do potencial de consumo do produto no mercado doméstico. “O objetivo é identificar, por exemplo, se o setor está crescendo em consumo, que linhas estão se destacando e quanto isso representa em volume e faturamento, o que ajudará a entender como o mercado está se desenvolvendo”, destaca Rita. O presidente da Ablac ressalta que a pesquisa permitirá identificar eventuais as mudanças nos hábitos de consumo das famílias e como isso impacta as vendas de calçados, com o que as lojas poderão rapidamente adotar medidas para fazer frente à nova realidade. “Para a indústria calçadista, a pesquisa irá auxiliar na adoção de estratégias de produção que devem estar ligadas, cada vez mais, ao desejo do consumidor”, aponta o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein.

Processo

Desde janeiro de 2014, a Kantar Worldpanel monitora o comportamento de compras de cerca de 170 categorias de produtos, entre eles o calçado, nos 11,2 lares cadastrados para a pesquisa. Os segmentos calçadistas pesquisados são chinelos, tênis, sapatos femininos fechados, tamancos, sandálias e sapatos masculinos, sendo que cada segmento possui três divisões, conforme o tipo de construção.

Semanalmente, em dia e hora marcados, entrevistadoras da empresa visitam os lares monitorados para verificar os produtos adquiridos, colocados numa caixa específica, cujos códigos de barras são lidos. Outras informações como nota fiscal, loja, dia de compra e forma de pagamento, por exemplo, são coletadas pelos entrevistadores num smartphone e posteriormente analisadas por técnicos. O cruzamento das informações permite identificar movimentos do mercado, como crescimento ou decréscimo, segmentos que se destacam em volume e receita, a representatividade disso em relação ao total de consumo, classes sociais, faixas etárias que aumentaram as compras, a freqüência das mesmas e outras variáveis importantes.

Resultados

Os resultados da pesquisa serão divulgados em janeiro de 2016, durante o Congresso Brasileiro do Calçado, e serão disponibilizados, para aquisição, a associados da Ablac e da Abicalçados, lojistas em geral, fabricantes de calçados e outros interessados.

Fonte: Assessoria de Imprensa Abicalçados/Assessoria de Imprensa Ablac

imagem

Abicalçados e IED: parceria para qualificar o mercado

Palestra realizada na entidade apresentou cursos na área de design

Com o objetivo de mostrar ao setor coureiro-calçadista novas oportunidades de capacitação, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) promoveu, na última terça-feira 26 de março, uma palestra especial para apresentar ao mercado um novo parceiro: o Instituto Europeo di Design (IED). De renome internacional, a instituição – que tem sede em Milão, na Itália – oferece cursos voltados para o design e sua aplicação para profissionais da área, abordando temas como planejamento e montagem de coleção, além de desenho estratégico voltado para inovação. O evento, conduzido pela professora Meline Moumdjian, destacou alguns dos principais assuntos a serem abordados nos cursos de “Planejamento e Montagem de Coleção” e “Playstorming e Design Estratégico”, cujas aulas iniciam no mês de abril na sede na própria entidade, localizada em Novo Hamburgo/RS.

Além de enfatizar aspectos ligados à criação de artigos específicos para o segmento, os módulos ainda evidenciam temas como comunicação, pesquisa e branding. “No setor calçadista, ainda são poucas as empresas que sabem trabalhar a questão de marca e compreender os diferenciais necessários para que os produtos sejam melhor percebidos pelo consumidor”, destacou a especialista. Durante a palestra, a professora também falou sobre os desafios de equilibrar os departamentos de marketing e estilo, assim como avaliar a postura e a posição da empresa em frente à concorrência. “Surpreender o comprador é uma missão difícil em um mercado onde parece que já se tem de tudo. É preciso saber provocar a sensação de desejo e alinhar a identidade visual do negócio”, enfatizou.

AULAS

Ocurso “Planejamento e Montagem de Coleção” tem início no dia 23 de abril, tendo inscrições abertas até dia 10 do mesmo mês. As aulas são ministradas pela professora Meline Moumdjian e abordará o planejamento estratégico do projeto de coleção, levando em consideração custos de desenvolvimentos e metas produtivas.

Ministrado por Rodrigo Najar, o curso “Playstorming e Design Estratégico” inicia no dia 21 de maio e recebe inscrições até o dia 2 do mesmo mês. Conforme o programa, a proposta é, junto com o design, aplicar a metodologia do “Playstorming”, treinamento em criatividade e inovação focado em preparar pessoas para a inovação.

Ambos os cursos serão ministrados na sede da Abicalçados nas quartas e quintas-feiras à noite, das 19h30min às 22h30min. Mais informações com Camila Oliveira, pelo telefone 51 3594-7011 ou pelo e-mailcamila@abicalcados.com.br.

imagem

Abicalçados e Sebrae lançam projeto para fortalecer o setor calçadista

Desenvolvimento técnico e gerencial das empresas é a proposta da ação

No próximo dia 26, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) celebra mais um importante momento para a indústria calçadista da região. Às 16h, na sede da entidade, em Novo Hamburgo/RS, será feita a assinatura do Projeto Desenvolver o Arranjo Produtivo do Calçado nos Vales do Sinos e Paranhana, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Na ocasião, estarão presentes as empresas âncoras do projeto, parceiros e lideranças do segmento calçadista.

Importância

A gestora de projetos do Sebrae Sinos, Caí e Paranhana, Carolina Strack Rostirolla, explica que o objetivo é o aprimoramento técnico e gerencial das micro e pequenas empresas e a satisfação das necessidades das âncoras, otimizando o fornecimento de produtos e a prestação de serviços dos diversos atores inseridos na cadeia produtiva do calçado. O gerente regional do Sebrae, Marco Copetti, lembra  que a entidade já mantém ações como esta. “Esse projeto é a confirmação da estratégia que viemos mantendo e aprimorando dentro do setor calçadista, no fortalecimento da eficiência produtiva nas indústrias de fornecimento das âncoras”, salienta.

Para o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, o setor calçadista só tem a ganhar com ações como esta. “Precisamos de iniciativas como esta, que fortaleçam e desenvolvam ainda mais a capacidade produtiva de nossas indústrias calçadistas”, enfatiza.

Podem participar do projeto as micro e pequenas indústrias (faturamento bruto anual até R$ 3.600.000,00) de apoio produtoras e fornecedoras de partes e de calçados e artefatos para as médias e grandes empresas (âncoras) dos Vales Sinos e Paranhana.

Projetos

Como incremento à atividade calçadista, os projetos junto às unidades de fornecimento estão em andamento desde 2004. O último teve duração de 2013 a 2014, com o intuito de fortalecer uma das partes mais frágeis da cadeia, que são os prestadores de serviços para as indústrias de calçados – os chamados atelieres prestadores de serviços das âncoras.

No total, oito empresas âncoras (Bottero, Usaflex, Ramarim, Dian Patris, Tabita, Piccadilly, Zeket e Arteflex) e 138 unidades industriais de fornecimento dos vales do Sinos e Paranhana participaram do último projeto.

Serviço

O quê: Coffe break de assinatura do Projeto Desenvolver o Arranjo Produtivo do Calçado nos Vales do Sinos e Paranhana

Quando: 26/02/2015 – 16h

Onde: Sede da Abicalçados – Rua Júlio de Castilhos,561. Novo Hamburgo/RS

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abicalçados

imagem

Abicalçados esteve na Argentina para negociar o desbloqueio das importações

A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalcados), com o apoio da Embaixada do Brasil em Buenos Aires, esteve em reunião com a Subscretária de Comércio Exterior da Argentina, Paula Español, nesta terça-feira, dia 28. O encontro, do qual participaram os presidentes executivo e do Conselho Deliberativo da entidade calçadista, Heitor Klein e Paulo Schefer, teve como intuito buscar a solução para o bloqueio das importações de calçados brasileiros.

Os dirigentes da Abicalçados manifestaram sua contrariedade diante da demora na liberação dos documentos exigidos – DJAIs – e que vem causando sérios prejuízos aos exportadores e seus clientes locais, especialmente pela falta de previsibilidade que contamina o ambiente de negócios entre os dois países. Segundo Klein, atualmente são 730 mil pares retidos, o que significa um prejuízo imediato de US$ 14 milhões. “Boa parte dos produtos refere-se à temporada de verão e para os quais, portanto, é necessário um rápido encaminhamento”, ressalta o executivo, acrescentando que, neste ponto, infelizmente não se logrou nenhum avanço. “De todas as formas, a Subsecretária evitou comprometer-se na imediata liberação das pendências”, lamenta Klein.

Os calçadistas brasileiros propuseram o estabelecimento de um canal permanente de conversações que permita contornar as dificuldades presentes e dar a necessária previsibilidade aos exportadores e seus clientes, sugestão que foi acolhida pela representante da Casa Rosada.

Ainda conforme os dirigentes da Abicalçados, a Embaixada do Brasil em Buenos Aires manterá constante contato com a Secretaria de Comércio da Argentina para os desdobramentos do proposto no encontro.

imagem

Abicalçados lança boletim mensal voltado para o empresário

Publicação será enviada no primeiro dia útil de cada mês para assinantes

Visando suprir uma demanda setorial de mais informações de mercado, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) lança, no mês de agosto, o Info Market Shoe. “Trata-se de uma publicação digital mensal que traz o que há de novo e importante no setor calçadista brasileiro”, explica o coordenador da Unidade de Desenvolvimento da Abicalçados, Cristian Schlindwein.

A publicação, onde constarão análises econômicas e projeções de curto prazo tanto em nível doméstico como internacional, é assinada pelo diretor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Hélio Henkin, que também é Doutor em Economia. “O Info Market Shoe terá conteúdos apresentados em um formato prático e objetivo, abordando questões macroeconômicas e análises específicas do setor calçadista”, continua Schlindwein.

O boletim empresarial será encaminhado por e-mail todo o primeiro dia útil de cada mês aos seus assinantes. O investimento semestral – 6 edições – será de R$ 170 para associados da Abicalçados e R$ 340 para não associados. Já o pacote anual – 12 edições – sai por R$ 280 para associados e R$ 560 para demais interessados.

Mais informações com Maria Eduarda Müller pelo e-mail mariaeduarda@abicalcados.com.br ou telefone 51 3594 7011.

Conteúdo

Cenário macroeconômico: economias internacional e brasileira;

Produção de calçados;

Inflação;

Consumo Interno;

Comércio exterior;

Emprego.

imagem

Abicalçados lança cursos voltados para criatividade e moda

Curso de Cool Hunting tem inscrições até quinta-feira, dia 16

Ainda respirando os ares da Maratona MUDE, que trouxe o design e a moda para assumir o protagonismo de uma nova identidade para o setor calçadista nacional, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) abriu as inscrições para os cursos de Cool Hunting e de Processos Criativos para a Moda, que serão ministrados nos próximos meses na sede da entidade, em Novo Hamburgo/RS.

Com a parceria qualificada do Istituto Europeo di Design (IED), que emprestará o conhecimento de parte do seu corpo docente, os cursos têm o objetivo de criar uma cultura de moda no segmento, facilitando a identificação das tendências em comportamento emergentes e norteando a aplicação da criatividade e inspiração nos desenhos dos produtos, sempre com viabilidades técnicas e de construção de marca. O primeiro curso da grade será “Cool Hunting – Tendências de Comportamento e Consumo”, que será ministrado pelo professor do IED Bruno Pompeo. Com o objetivo de auxiliar na compreensão e interpretação dos comportamentos sociais emergentes e as influências deles no consumo, as aulas serão ministradas nos dias 21, 22, 23, 24 e 25 de outubro, com horários diferenciados nos dias da semana – 19hs às 22h30min – e no sábado – das 8h30min às 12hs. As inscrições seguem até o próximo dia 16.

No mês seguinte iniciam as aulas do curso de Processos Criativos para a Moda. Ministrado pela professora do IED, Meline Moumdjian, o curso traçará um norte de aplicação da criatividade e inspiração no desenho dos produtos, debatendo viabilidades técnicas e o processo de construção de marca. As aulas serão ministradas nas quartas e quintas-feiras no período compreendido entre 12 e 27 de novembro, sempre das 19hs às 22hs. O prazo de inscrição para o curso se estende até o próximo dia 31.

Para o coordenador da Unidade de Desenvolvimento da Abicalçados, Cristian Schlindwein, a Abicalçados assumiu o compromisso com o design calçadista brasileiro de forma definitiva. “Queremos cada vez mais criar oportunidades de desenvolvimento aos profissionais do setor e, para isso, além de eventos como foi a Maratona MUDE, daremos continuidade a cursos exclusivos”, destaca.

Ambos os cursos terão 18 horas de aulas. Mais informações, valores – que são diferenciados para associados da Abicalçados – e matrículas através do telefone 51 3594 7011 ou e-mail cursos@abicalcados.com.br.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abicalçados

imagem

Abicalçados no Congresso Mundial do Calçado

Presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, participa de evento no México

O presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, participará da quinta edição do Congresso Mundial do Calçado, que nesta oportunidade terá como temas principais o consumo de calçados e as expectativas nos diferentes lugares do mundo, o acesso das empresas aos mercados internacionais e os núcleos de fabricação atuais e futuros. O evento internacional, que deve contar com mais de 600 líderes do setor calçadista mundial, acontece nos dias 24 e 25 de novembro, em León, no México.

O executivo da Abicalçados participa da mesa redonda sobre as diferentes estratégias adotadas pelas empresas para lidar com um consumidor cada vez mais dinâmico e exigente. Ele discutirá o tema com líderes setoriais do México, Hong Kong, Itália e Espanha. “A pauta é de extrema relevância para a indústrias de calçados, uma vez que é somente através desse conhecimento que poderemos enfrentar a concorrência cada vez mais feroz de mercados mais competitivos em preço, como o caso do chinês”, avalia Klein.

Um ano ruim

A indústria calçadista brasileira amargou um ano de 2014 muito aquém do desejado, registrando índices negativos em todos os setores, da produção ao varejo, passando pelas exportações e nível de emprego. Desde o início do ano, a produção de calçados caiu 4,5%, o varejo encolheu 1,3%, a exportação despencou 3% e o nível de emprego na atividade já é 8% negativo na relação com 2013. “É preciso, urgentemente, recuperar as condições de competitividade, que passam por questões de ordem política e macroeconômica, mas também de produtividade, o que passa pelo entendimento melhor das mudanças no perfil de consumo e a aposta em design e valor agregado”, frisa o executivo.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abicalçados

imagem

Abicalçados participa da 42ª edição da Couromoda

Em busca da recuperação, o setor calçadista brasileiro participa da 42ª edição da Couromoda, feira que reunirá duas mil marcas de calçados, acessórios e artigos de moda entre os dias 11 e 14 de janeiro, no Expo Center Norte, em São Paulo/SP. A expectativa para a feira calçadista, alimentada por um Natal de incremento nas vendas – de 2% conforme a Associação Brasileira dos Lojistas de Artefatos e Calçados (Ablac) – e um câmbio favorável, é positiva. 

Para o presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, as expectativas são melhores devido à gradual recuperação dos principais mercados para o calçado brasileiro, bem como a valorização do dólar, o que favorece a formação de preços mais competitivos. Esperando mais de dois mil importadores de mais de 60 países, a maioria da América Latina, a mostra deve marcar o início de um ano mais positivo para as exportações de calçados. “Com um dólar mais valorizado, conseguimos um preço mais competitivo, tornando o nosso produto ainda mais atrativo. Além disso, temos notado uma leve recuperação na demanda por conta da recuperação de alguns dos nossos principais mercados, o que é um ótimo indicativo para a Couromoda”, projeta o executivo.

Promoção

Como de praxe, a Abicalçados estará presente na mostra calçadista com projetos de promoção comercial, de imagem e o tradicional Talk Shoe.

Nesta edição do Projeto Comprador VIP, a entidade calçadista traz importante comprador da Shoemart, empresa que recentemente participou do Projeto Copa do Mundo FIFA no Brasil. Tendo importado mais de US$ 47,6 milhões em calçados em 2013, a rede de lojas dos Emirados Árabes Unidos busca aumentar a fatia de produtos brasileiros nas suas vitrines. Atualmente, dos mais de 6 milhões de pares comprados, apenas 3% vem do Brasil. 

A feira terá ainda mais uma edição do Projeto Imagem, que traz dez jornalistas e formadores de opinião de alguns dos principais veículos setoriais da Argentina, Colômbia, Espanha, França e Itália para conhecer e divulgar o produto brasileiro. Para este ano, a Abicalçados anuncia uma remodelação da ação. “Identificamos que as feiras comerciais são ótimas plataformas para divulgarmos os nossos produtos em veículos que trabalham com o público B2B em função do timing. Nesse novo formato do Projeto Imagem, conseguiremos atender de maneira mais personalizada cada um dos nossos convidados”, destaca Roberta Ramos, coordenadora de Promoção de Imagem da Abicalçados. 

Ambos os projetos de promoção são realizados pela Abicalçados através do programa de apoio às exportações de calçados Brazilian Footwear, mantido em parceria com a Apex-Brasil.

Talk Shoe

O evento, que prevê dois dias de palestras rápidas com especialistas do setor, será promovido no segundo e terceiro dias da mostra, no Espaço Abicalçados – rua M com avenida 5.

Para a edição deste ano, as palestras foram dividas em dois temas, marketing e design. O primeiro será desenvolvido por profissionais da ESPM, no dia 12, e o segundo no dia seguinte por especialistas do Istituto Europeo di Design (IED). 

Além das palestras das escolas, o evento traz ainda uma apresentação sobre comportamento de consumo, que será realizada pela Usefashion.

As inscrições são limitadas e gratuitas e podem ser realizadas no site www.talkshoe.com.br, onde também consta a programação da iniciativa. 

Coletiva

Às 12 horas do dia 13, no Espaço Abicalçados, a entidade calçadista promove a tradicional coletiva de imprensa, que será antecedida pelo lançamento oficial da nova campanha do programa de apoio às exportações Brazilian Footwear.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Abicalçados

imagem

Abicalçados participa de encontro com presidente Temer

Abicalçados participa de encontro com presidente TemerAbicalçados participa de encontro com presidente TemerAbicalçados participa de encontro com presidente Temer

Com o objetivo de frisar a importância do setor calçadista para a economia nacional, uma comitiva da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) liderada pelos seus presidentes do Conselho e Executivo, Rosnei Alfredo e Heitor Klein, e composta por empresários dos principais polos calçadistas brasileiros, foi ao encontro do presidente Michel Temer na tarde de ontem, dia 8. No Palácio do Planalto, em Brasília, Klein, também entregou pares de calçados para o líder do executivo federal, estendendo com presentes para a sua esposa, Marcela Temer, e o filho do casal, Michelzinho.

Segundo Klein, a reunião foi produtiva. “Na oportunidade, destacamos que o setor calçadista brasileiro, composto por quase oito mil empresas que geram diretamente mais de 300 mil postos, fora os indiretos no varejo, pode dar uma resposta rápida e ajudar o Brasil na saída para a crise econômica”, ressaltou o dirigente, acrescentando que, para isso, é preciso ter condições melhores de competitividade no mercado interno e no exterior. O presidente Temer agradeceu a visita e ressaltou que dará as condições possíveis para uma recuperação rápida não somente do setor calçadista, mas da indústria em geral. “Fico feliz com a visita da Abicalçados e com a apresentação de números e condições que dão a segurança de que é um segmento que tem potencial de reação”, afirmou Temer.

Calçado chinês

No final do encontro, o executivo da Abicalçados fez a entrega de pares de calçados para o presidente da República e a sua família, relembrando o caso que teve grande repercussão na imprensa nacional em setembro passado, quando o líder do executivo, em viagem a China para reunião do G20, precisou comprar um par no mercado local. “Houve uma repercussão muito grande na época, no meu ponto de vista exagerada. O caso não gerou mal-estar algum, até porque é a coisa mais normal do mundo. Eu quando viajo para o exterior não costumo comprar sapatos, mas o presidente disse que precisou de um par devido a uma emergência”, comentou Klein.

A polêmica se deu, principalmente, porque a China é considerada uma concorrente voraz dos calçados brasileiros, tanto no mercado interno, pelas importações, como no exterior, já que quase 70% das exportações de calçados no mundo são feitas pelo país asiático.

Como forma de proteção no mercado doméstico, desde 2009 é aplicada uma sobretaxa de antidumping contra o produto chinês, o que fez as importações daquele país caírem de mais de US$ 200 milhões por ano para US$ 46 milhões, em 2015. Renovada em março passado, a sobretaxa por par importado da China está em US$ 10,22.

Mais imagens em http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-planalto/imagens/2016/associacao-brasileira-das-industrias-de-calcados-abicalcados

Foto: Marcos Corrêa/PR

Fonte: http://www.abicalcados.com.br/noticia/abicalcados-participa-de-encontro-com-presidente-temer/

imagem

Abicalçados participa de encontro com presidente Temer

Com o objetivo de frisar a importância do setor calçadista para a economia nacional, uma comitiva da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) liderada pelos seus presidentes do Conselho e Executivo, Rosnei Alfredo e Heitor Klein, e  composta por empresários dos principais polos calçadistas brasileiros, foi ao encontro do presidente Michel Temer na tarde de ontem, dia 8. No Palácio do Planalto, em Brasília, Klein, também entregou pares de calçados para o líder do executivo federal, estendendo com presentes para a sua esposa, Marcela Temer, e o filho do casal, Michelzinho.

Segundo Klein, a reunião foi produtiva. “Na oportunidade, destacamos que o setor calçadista brasileiro, composto por quase oito mil empresas que geram diretamente mais de 300 mil postos, fora os indiretos no varejo, pode dar uma resposta rápida e ajudar o Brasil na saída para a crise econômica”, ressaltou o dirigente, acrescentando que, para isso, é preciso ter condições melhores de competitividade no mercado interno e no exterior. O presidente Temer agradeceu a visita e ressaltou que dará as condições possíveis para uma recuperação rápida não somente do setor calçadista, mas da indústria em geral. “Fico feliz com a visita da Abicalçados e com a apresentação de números e condições que dão a segurança de que é um segmento que tem potencial de reação”, afirmou Temer.

Calçado chinês

No final do encontro, o executivo da Abicalçados fez a entrega de pares de calçados para o presidente da República e a sua família, relembrando o caso que teve grande repercussão na imprensa nacional em setembro passado, quando o líder do executivo, em viagem a China para reunião do G20, precisou comprar um par no mercado local. “Houve uma repercussão muito grande na época, no meu ponto de vista exagerada. O caso não gerou mal-estar algum, até porque é a coisa mais normal do mundo. Eu quando viajo para o exterior não costumo comprar sapatos, mas o presidente disse que precisou de um par devido a uma emergência”, comentou Klein.

A polêmica se deu, principalmente, porque a China é considerada uma concorrente voraz dos calçados brasileiros, tanto no mercado interno, pelas importações, como no exterior, já que quase 70% das exportações de calçados no mundo são feitas pelo país asiático.

Como forma de proteção no mercado doméstico, desde 2009 é aplicada uma sobretaxa de antidumping contra o produto chinês, o que fez as importações daquele país caírem de mais de US$ 200 milhões por ano para US$ 46 milhões, em 2015. Renovada em março passado, a sobretaxa por par importado da China está em US$ 10,22.

imagem

Abicalçados participa de workshop sobre investigações antidumping

Entidade calçadista apresentou o processo desenvolvido em evento na FIERGS

Ainda trabalhando na renovação da tarifa antidumping contra o calçado chinês, instituída definitivamente em março de 2010 e a vencer no mês três do próximo ano, a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) participou do workshop “Indústria e as investigações antidumping”, realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e Confederação Nacional da Indústria (CNI). O encontro aconteceu ontem, dia 5, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), em Porto Alegre/RS.

Na oportunidade, o consultor da Abicalçados, Adimar Schievelbein, apresentou o processo elaborado pela entidade e que resultou na sobretaxa contra o produto chinês. “Foi um processo complexo, com mais de 40 mil páginas. Tivemos pressões de grandes marcas internacionais de esportivos que produzem na China”, disse. Segundo ele, a motivação para a petição veio da ineficácia da elevação da Tarifa Externa Comum (TEC) do calçado importado de fora do Mercosul para 35% e o acentuado crescimento das importações da China. “Também incluímos a destruição da indústria de calçados nos Estados Unidos”, recordou o consultor, demonstrando um estudo elaborado que mostra uma indústria praticamente erradicada naquele país no início da década de 80 por conta das importações chinesas. “A China é um sinônimo de câncer comercial. É um país que não se controla a não ser através da defesa comercial”, completou.

Fraude

Com o sucesso do antidumping contra o calçado chinês, provisoriamente em US$ 12,47 por par a partir de setembro de 2009, e com tarifa definitiva de US$ 13,85 por par a partir de março do ano seguinte, as importações do mesmo produto passaram e chegar no Brasil através de outros países, configurando fraude fiscal. “Quando foi aplicado o direito antidumping contra a China, logo as importações começaram a vir de países vizinhos. Foi como jogar inseticida em baratas”, ressaltou Schievelbein, citando o impressionante incremento das compras provenientes da Malásia tão logo a adoção da sobretaxa. “Empresas fictícias foram criadas e alertamos a Receita Federal para o fato”, afirmou o consultor, acrescentando que poucas delas foram descobertas no período. “Hoje as mesmas importações vêm da Malásia, Vietnã, Indonésia, entre outros, através de práticas de circunvenção e triangulação”, frisou.

Pior sem…

Se com o direito a situação da indústria calçadista brasileira, que além da concorrência predatória imposta pelos asiáticos, convive com o “Custo Brasil” e todas as dificuldades de se produzir manufaturados no País, está complicada, muito pior seria sem a aplicação da medida. “Se não tivéssemos o direito antidumping aplicado contra a China as importações daquele país estariam em 80 milhões de pares/ano”, simulou o consultor. “Não queremos e não podemos deixar acontecer no Brasil o que ocorreu nos Estados Unidos. Que a boca do Dragão venha e nos elimine”, concluiu.

O workshop contou também com intervenções do Conselho de Relações Internacionais e Comércio Exterior da FIERGS, da Unidade de Negociações Internacionais da CNI, do Departamento de Defesa Comercial da Secretaria de Comércio Exterior (DECOM/SECEX) e da Acelor Mittal, que apresentou o case do antidumping formulado pela siderúrgica multinacional.

Importações de calçados da China

2007 – US$ 148,87 milhões

2008 – US$ 218,7 milhões (46,9%)

2009* – US$ 183,56 milhões (-16,1%)

2010** – US$ 54,93 milhões (-70,1%)

2011 – US$ 70 milhões (27,4%)

2012 – US$ 58,72 milhões (-16,1%)

2013 – US$ 60,1 milhões (2,3%)

2014 – Jan-jul – US$ 31,95 milhões (-7,2%)

*Em setembro de 2009 passa a vigorar o direito antidumping contra a China, na época em US$ 12,47 por par importado

**Em março foi instituído o antidumping válido por cinco anos contra a China, ajustado em US$ 13,85 por par importado.

 

Fonte: Unidade de Promoção de Imagem Abicalçados